Followers

quinta-feira, 21 de junho de 2012


FULIGEM

Corpo, indivisível corpo!
Esperança renascida
ao desnudar das coxas,
que perdidas pedem olhar,
serem tocadas e tudo entenderem
dos rituais da sedução.
Caramanchões do Templo de Baco,
cujas uvas doces, — um regalo,
fantasiando o sumo a escorrer
no corpo, resumo de perdição.
O alçapão aberto, 
prazer desnudo,
contudo, é ritualística gestual
do ardor, do desejo, do gozo...
A fuligem do tempo 
em estiagem avança 
e dança no vento
que abranda, amorna 
a corajosa cobra
a buscar desafios, 
seguindo o rastro
dos cheiros, dos gostos 
a se manifestarem
para só então, degustar 
com a língua irrefreável,
o templo úmido e casto
onde o prazer fez morada
por fim professando... Amor!
Edna Fialho

7 comentários:

  1. Oi amiga!passando par deixar aqui omeu abraço e parabenizala por tão lindos poemas..beijossss

    ResponderExcluir
  2. Adorei o seu blog, moça!!! Parabéns! Beijos e abraços com poesia!

    ResponderExcluir
  3. Amiga, vindo lhe fazer uma visita.
    Páginas belas que já estou a seguir. Se quer mais poesia visite meu cantinho também...
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Minha linda, obrigada pelo carinho de sempre. Com certeza esatrei lá. Aguarde-me! Bjus

    ResponderExcluir
  5. Linda sensualidade numa construção perfeita.
    Parabens com meu carinhoso abraço.
    Bom fim de semana e grato pelo carinho de sempre.
    Sempre bem vinda amiga.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  6. amei querida, muito lindas suas poesias viu, parabéns!!!!

    ResponderExcluir
  7. Meu nome é Carlos Roberto de Souza, poeta e editor do Fanzine Episódio Cultural. Convido você a participar do meu novo (Grupo Academia Machadense de Letras). Publique gratuitamente seus poemas, contos, crônicas, música, saúde, livros, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo:
    https://www.facebook.com/groups/149884331847903/

    ResponderExcluir